Saltar para o conteúdo

D2C: Saiba por que esse é o modelo de negócios do futuro



Junte-se à nossa lista de endereços

A Signifyd publica regularmente relatórios gratuitos repletos de insights de negócios, tendências de comércio e dados de nossa enorme Commerce Network. Só enviaremos e-mails quando tivermos algo significativo para compartilhar, não mais do que uma vez por semana. E, claro, você pode cancelar a inscrição a qualquer momento.

sidebar-ipad

O D2C, ou Direct To Consumer, vem ganhando espaço entre as empresas brasileiras e se tornando uma grande aposta para vender mais e melhorar a experiência do usuário

Esse é um modelo de negócio que vem despertando o interesse de grandes marcas como a Nike, que segundo o Valor Econômico, aumentou seu faturamento em 16% no comparativo trimestral graças ao D2C. O aumento das vendas diretas da marca (28%) chegaram a ultrapassar o aumento das vendas de lojas físicas (24%).

Ainda segundo o portal de notícias, a Nike afirma que: 

O D2C pode aumentar o faturamento do seu negócio

 

Para saber mais sobre essa tendência no e-commerce, continue a leitura. 

 

O que é o modelo D2C?

O Direct To Consumer, ou “Direto Ao Consumidor” em português, é um modelo de negócio que a cada ano ocupa mais e mais espaço no mercado. O D2C já foi adotado por muitas empresas e a perspectiva de cenário é que essa adoção se intensifique ao longo do tempo. 

Em suma, o Direct To Consumer tem como premissa a venda direta da indústria para consumidores finais, sem passar por intermediários (como lojas de varejo ou marketplaces). Ou seja, da marca fabricante direto ao consumidor. O D2C pode ser aplicado em estratégias online e offline

Tradicionalmente os fabricantes atuam com um modelo B2B, ou Business-to-Business, que, no varejo, significa utilizar revendedores para distribuir seus produtos. No entanto, o D2C não é excludente, permitindo com que sejam adotados os dois modelos nas empresas, proporcionando ainda mais vantagens e flexibilidade aos negócios.

 

Qual a importância do D2C para as empresas?

A importância do D2C ficou ainda mais clara durante a pandemia, uma vez que, com o fechamento das lojas físicas e isolamento social, o comércio sofreu um duro impacto. 

Consequentemente, toda a cadeia de fornecedores também atravessou momentos desafiadores. Aqueles varejistas que já haviam adotado o modelo direto ao consumidor — especialmente se tratando de D2C no ambiente digital — tiveram grandes vantagens frente à concorrência.

Em paralelo, ainda durante a pandemia, vimos um “divisor de águas” que reforçou a importância do D2C: a mudança de hábitos dos consumidores, sobretudo os de compras online. 

Com a impossibilidade de realizar compras presenciais, a migração para o e-commerce foi massiva, brusca e muito intensa. Hábitos que vieram para ficar segundo o Relatório “State of Commerce 2022”, realizado pela Signifyd: 55% dos consumidores disseram considerar permanentes as mudanças que fizeram em relação às compras para lidar com as condições da Covid-19. 

Juntamente dos novos hábitos de compra, também foi possível observar uma mudança no relacionamento com as marcas, que buscaram estreitar laços de relacionamento com o consumidor, além do aumento na relevância da experiência do cliente.

Nesse cenário, o D2C parece “cair como uma luva”, já que o canal de relacionamento digital passou a ser protagonista durante a pandemia, proporcionando ao varejo online mais ferramentas para conhecer seu consumidor e oferecendo ao consumidor final exatamente o que ele esperava

 

Qual a diferença entre B2B, B2C e D2C?

Siglas que são constantemente confundidas, o B2B, B2C e D2C são abreviações para modelos de negócios que, na verdade, possuem significados distintos. Confira:

 

B2B - Business To Business

 

Esse modelo de negócio acontece de empresas para empresas, sem ter contato com Pessoa Física. 

Dentro do varejo, acontece quando a indústria negocia com uma loja ou rede de lojas para disponibilizar seus produtos para o cliente final. Por exemplo: a KitKat fornece seus chocolates para os mercados, sejam eles pequenos, locais ou grandes redes, como Extra. 

O mercado, nesse exemplo, atua como intermediador na venda, fazendo a ponte entre a indústria e o cliente final. 

 

B2C - Business To Consumer

 

No modelo B2C, a transação ocorre da empresa para o consumidor final.

Retomando o exemplo anterior, são os mercados que realizam a venda dos chocolates da KitKat para os clientes. A única forma de adquirir esses produtos é através da dinâmica entre varejista e Pessoa Física.

D2C - Direct To Consumer

 

A dinâmica do D2C é um pouco diferente do B2C, uma vez que elimina esses intermediadores e a tratativa ocorre da indústria diretamente para o consumidor final. 

Nesse caso, a KitKat, de fato, já adotou o modelo D2C, aliado ao B2B. Hoje, além de manter a dinâmica mais tradicional e fornecer seus chocolates para mercados e outras lojas do varejo, também possui um ponto físico próprio em diversos shoppings em São Paulo e Campinas, além de contar com um e-commerce

Agora, a marca oferece mais canais (e oportunidades!) de venda para seus clientes, além de um contato mais próximo com o consumidor. Inclusive, ela investiu em lojas e eventos ao ar livre para explorar ainda mais a experiência do cliente com a marca.

 

Quais as vantagens de adotar um modelo de negócio Direct To Consumer (D2C)?

 

O modelo D2C pode ser muito vantajoso para as empresas. Confira algumas razões para investir nesse modelo de negócio: 

Vantagens de adotar o D2C como estratégia de negócio

 

Escolha bons parceiros para seu e-commerce

 

O D2C já é uma tendência nas lojas virtuais e cada vez mais empresas apostam nesse modelo de negócio, já que a venda direta ao consumidor pode proporcionar muitas vantagens, entre elas, a expansão do público da marca e uma interação mais próxima com o consumidor.

Além de escolher um modelo que faça sentido para seu negócio e para seus clientes, um ponto fundamental é tomar boas decisões em relação aos parceiros que atuarão no seu e-commerce. 

O custo das perdas por fraude pode ser determinante para a saúde de um e-commerce e limitar ou atrasar seu crescimento. E, naturalmente, à medida que o e-commerce cresce, ele pode atrair ainda mais a atenção de fraudadores ou até mesmo sofrer mais com o abuso do consumidor

Logo, contar com uma boa plataforma antifraude será essencial para que o e-commerce possa crescer sem medo e sem limitantes! A Signifyd oferece uma solução antifraude de ponta que blinda seu e-commerce contra fraudes, enquanto aumenta taxas de aprovação de pedidos. 

Com tecnologia de ponta, IA e machine learning, a Signifyd protege a jornada de compra, mantendo você e seus clientes seguros, para que seu e-commerce possa proporcionar experiências que convertam e, claro, vender mais. 

Clique na imagem abaixo e confira todos os benefícios que só a Signifyd oferece ao mercado. 

 

Conheça a plataforma antifraude da Signifyd

Signifyd

Signifyd

A Signifyd fornece uma plataforma de proteção de e-commerce de ponta a ponta, que aproveita sua rede de comércio para maximizar a conversão, automatizar a experiência do cliente e eliminar fraudes e abuso de clientes para varejistas.